Higienização, jogo sujo e assassinato.

Envenenados, enforcados, queimados vivos ou mortos a tiro. Calcula-se que mais de 60.000 cães de rua foram mortos na Ucrânia desde novembro do ano passado.  Essa medida fez parte de um pacote de preparação para um evento esportivo, a Eurocopa 2012. As ultimas informações são de que o governo “cedeu” às pressões internacionais de defensores dos animais e parou a matança. Para um bom observador, imagina-se que dentro de algum tempo ocorrerá um pedido formal de desculpas.

Diante dos fatos, é preciso destacar dois pontos: Primeiro, pedir desculpas, considerando que virá de um órgão burocrático de Estado preocupado em manter uma boa relação com os súditos por interesses de poder, não é nenhuma garantia de que estarão, de fato, arrependidos pelo que fizeram.  Além disso, um pedido de desculpas não mudará em nada o que aconteceu com a vida desses animais. A matança ocorreu dentro de uma lógica especista, em que esses animais não são “sujeitos de uma vida”, ou seja, não se faz a pergunta: “Será que eles se importam em morrer?”.  A única coisa a qual se importam é que a cidade deve estar limpa e que cause uma boa impressão para o megaevento acontecer. A ordem da higienização, que arrasta moradias populares por todo o mundo, também põe no saco os cachorros.

Mas a desculpa pode, no entanto, criar um chão para a memória e, portanto, ser invocada quando situações semelhantes ocorrerem novamente, para justamente buscar uma nova ação. É um argumento moral que todos nós praticamos em diferentes situações.  E é simplesmente por isso que as “desculpas oficiais” sempre demoram a aparecer. Há uma vulnerabilidade implícita quando pronunciamos essa palavra. Logo, não é difícil entender porque, por exemplo, a Igreja Católica demorou 500 anos para pedir perdão ao que fizeram com os primeiros habitantes do Brasil.

Os defensores dos animais pressionaram. Segundo ponto. Aqui temos um problema e também uma breve oportunidade.  Quando se fala em cães e gatos, o número de “defensores dos animais” se multiplica em grandes proporções. Surge uma massa preocupada, com estratégias, bons slogans e com tempo livre para militar a favor desses animais.  Eles recebem a nomeação de “defensores” e estão dispostos a ir onde for para que o direito desses se faça valer. Porém, não estão dispostos a enxergar que existe uma identidade básica para proporcionar os mesmos direitos e o mesmo respeito a todos os outros.

É claro, cães e gatos vivem conosco, estão próximos, fazem parte do lar e em ultima análise, tornam-se nossos familiares. Dar o mesmo status moral a animais que estão vivendo em florestas ou sendo os subprodutos de indústrias (alimentação, couro, vivisecção, entretenimento) pode ser mesmo um caminho mais difícil. Mas ao mesmo tempo é muito simples: Há alguém ali por trás daqueles olhos. Um ser consciente de que está no mundo, consciente de que o mundo o comporta e de que o maior bem a zelar é sua própria vida. Se enxergastes no seu animal doméstico, então é possível expandir a consciência para os outros e ter a mesma certeza de quando um gato dorme no seu colo, que todos devem ter seus direitos assegurados.  Leia-se: direitos à vida, à liberdade e à integridade física.  

Quando eu falei em “breve oportunidade”, fiz referência que em certos contextos existem possibilidades enormes de mudança de percepção. (Os textos aqui escritos podem encontrar diferentes sujeitos, em variados estágios e com vivências diversas. Para alguns, comparar animais domésticos e selvagens, no que tange aos direitos, é algo que já foi há muito tempo entendido e interiorizado. Para outros, ainda poderá ser motivo de estranhamento. Mas para todos nós, é hora de exercitar a nossa responsabilidade). Esse, claramente é um deles.  Se mais de 60 mil animais que não fizeram nenhuma ação além de se encontrarem vivos em uma cidade estão  agora numa cova comum, num saco de lixo ou amontoados em algum lugar longe da pólis, e você está preocupado com os resultados das partidas de um grupo de milionários com chuteiras, algo pode estar muito errado. Mas a hora de se posicionar em outro campo bate em seus olhos.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: